VIVA GOA! VIVA PORTUGAL! ,CLAUDIA EXPLICA NO SEU LIVRO

Livro: Claudia; Autor: Sophia Lorena Benjamin; Editora: Olive Turtle; Páginas: 251; Preço: Rs. 395

Dez anos antes de os hippies colocarem Goa no mapa internacional como a capital boêmia da Índia nos anos 70, o minúsculo estado havia testemunhado uma tensão de poucas décadas que levaram à liberação da região pelas forças armadas indianas. O romance “Claudia”, de Sophia Lorena Benjamin, é ambientado na época anterior à libertação, em 1961, quando Goa vivenciava uma onda de ressurgimento nacionalista.

Fazia mais de uma década desde que a Índia continental conquistara a independência do domínio britânico e o império lusófono em Goa estava finalmente enfrentando o calor nos trópicos, com o governo indiano respirando em seus pescoços.

É neste ano tenso e hesitante de 1961 que o romance se abre.

A protagonista Claudia trabalha como empregada doméstica em uma casa portuguesa em Oroshim, uma aldeia tão típica quanto se pode imaginar em Goa de antigamente . 

Os esforços políticos, murmúrios de uma mudança de regime e invasão começaram a jogar nas mentes dos habitantes da casa, bem como do campo.

Para um nativo que trabalha na casa de um paklo (homem branco) e sua família na fronteira da perene ruína financeira, Claudia se apresenta como uma jovem inteligente e perspicaz.

Sua astúcia e charme e seu namoro romântico com Damiano, o filho de seu empregador, é a narrativa pessoal da história que se desenrola paralelamente aos desenvolvimentos sociopolíticos maiores e cada vez mais intensos em torno deles.

A história tem picos com escolhas difíceis apresentadas a Claudia. Trata-se de deixar Goa para Portugal com os seus empregadores que partem e continuar a trabalhar como empregada doméstica na casa de Damiano e continuar com o seu caso no silêncio.

A outra é casar com um pretendente “elegível” e financeiramente bem-sucedida que sua ansiosa avó escolheu para ela. Ela tem que tomar uma decisão, quase sem tempo em suas mãos.

O romance é rico em valor descritivo e faz grandes esforços para pintar uma imagem de Goa dos anos 1960, tão lembrada por aqueles que viram a época.

Um cartão-postal repleto de campos de arroz verdejantes, margeados por coqueiros arqueados e ondulantes, fachadas de igrejas, senadores bem-vestidos e senoritas, tabernas modestas, mas sempre presentes.

Apesar do enredo interessante e sub-enredo romântico, o livro não consegue segurar o leitor adequadamente – o que é surpreendente, dada a atmosfera, obviamente, tensa e emocionante em que é definido.

No entanto, para aqueles interessados ​​em rico detalhamento sócio-cultural e histórico de Goa, também conhecido como a Roma do Oriente, no meio da transição colonial, “Claudia” pode fazer o truque.

(Mayabhushan Nagvenkar pode ser contatado em mayabhushan.n@ians.in)

–IANOS

maya / tsb / vm / hs

(Esta história não foi editada pela equipe do Padrão de negócios e é gerada automaticamente a partir de um feed sindicado.) fonte:https://www.business-standard.com/article/news-ians/claudia-blooming-of-love-as-portugal-s-rome-of-the-east-crumbles-book-review-118091500267_1.html

O que posso dizer depois de viver em Goa 3 anos da minha vida …Goa é o máximo ! só perde pra Buzius ….!!! ou não perde ….portais de  uma nova existência…. 

Bons Negócios !!

Be the first to comment

Leave a Reply