ISRAEL RESPONDE A RUSSIA: SEUS MISSEIS NÃO NOS DETERÃO NA SÍRIA

O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu disse que disse ao vice-primeiro-ministro da Rússia em conversas na terça-feira que Israel deve continuar atingindo alvos hostis na Síria, apesar da decisão de Moscou de se equipar
o regime de Assad com mísseis avançados de defesa aérea.

Netanyahu disse em uma entrevista coletiva que disse a Maxim Akimov em conversações em Jerusalém que Israel continuará lutando contra as tentativas iranianas de se entrincheirar militarmente na Síria e canalizar armas avançadas para seu aliado libanês, a organização terrorista Hezbollah.

Apesar da entrega das baterias de mísseis de defesa aérea S-300 para os militares sírios, Israel se comprometeu como uma questão de autodefesa para continuar sua “atividade legítima na Síria contra o Irã e seus representantes, que afirmam sua intenção de nos destruir”, Netanyahu disse.

Foi sua primeira reunião divulgada com um alto funcionário russo desde a queda acidental da Síria de um avião russo após um ataque aéreo israelense na Síria, um incidente que aumentou as tensões entre Israel e a Rússia.

Quinze russos foram mortos no incidente de 17 de setembro que Moscou culpou Israel, acusando seus pilotos de usar o avião russo como cobertura.

Israel contestou as alegações russas, dizendo que os jatos IDF estavam de volta em Israel
espaço aéreo quando o avião foi abatido.

Em resposta o Ministério da Defesa da Rússia concluiu em 2 de outubro o fornecimento de componentes de vários sistemas de defesa antiaérea S-300 para a Síria. Em entrevista à Sputnik Internacional, o analista político Ghassan Kadi compartilhou seu ponto de vista sobre a instalação dos S-300 e como isso poderia influenciar a situação atual da região.

Segundo ele, a decisão de implantar unidades S-300 repercutirá mais alto no cenário político regional e internacional do que no militar.

O especialista ressaltou que a presença russa em Damasco foi autorizada pelo governo sírio e isso acarretou o descontentamento dos EUA e de Israel.

“Se o papel da Rússia na Síria tinha um ‘problema’ antes da implantação dos S-300, o problema teria sido o fato de a Rússia respeitar o direito internacional e manter acordos”, salientou.

Em meio a isso, surgiram relatos sugerindo que a Força Aérea dos EUA poderia usar seus caças furtivos F-22 e aviões F-16CJ, projetados para destruir as defesas aéreas inimigas na Síria, em resposta à entrega dos S-300. Segundo o analista, essa medida não representa um desafio para as defesas aéreas sírias ou russas.fontes:https://br.sputniknews.com/opiniao/2018100612380618-russia-envia-sinal-eua-otan-implantar-s300-siria-politologo/ https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/252985

Todos sabem que os s 300 não são páreo para os pilotos de Israel , o problema é saber o que os russos farão quando Israel os destruir…

Be the first to comment

Leave a Reply