AS 6 DO DIA 10/01

1- Bastou um discurso de reforma da Previdência mais alinhado à vocação liberal do mercado para o índice Bovespa romper os 93.000 pontos pela primeira vez na história. Os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, apararam as arestas deixadas por Jair Bolsonaro na semana passada e sinalizaram uma proposta dura de mudança no sistema de aposentadorias, tema crucial para equilíbrio das contas públicas do País. O otimismo fez o dólar a cair para R$3,685, aliviando os juros futuros, especialmente aqueles com vencimento mais longo. Já os mais curtos oscilaram, terminando perto da estabilidade. Isso porque o mercado ainda aguarda detalhes de aspectos relevantes da reforma, como idade mínima e regra de transição. Ficou para os próximos dias, quando a proposta deve seguir para apreciação de Bolsonaro, segundo Lorenzoni.

2- A ata do Federal Reserve,referente à reunião de dezembro do comitê de política monetária do banco central dos EUA, deu fôlego extra ao mercado. O documento revelou que alguns membros do colegiado – conhecido como FOMC – queriam que a taxa básica de juros americana ficasse estável, como resposta ao aumento da volatilidade nos mercados e aos sinais de fraqueza econômica. Na ocasião, entretanto, o FOMC votou pela elevação nos juros. A reação positiva do mercado reflete a ideia de que fica mais distante o risco de subida iminente nos juros daquele país. Investidores agora buscarão indícios de confirmação dessa perspectiva nos discursos de dirigentes do Fed, previstos para quinta-feira, entre eles o do próprio presidente do BC dos EUA, Jerome Powell.

3- O lobby explícito de integrantes das forças armadas para que os militares fiquem de fora da reforma da Previdência tem causado desconforto entre técnicos da equipe econômica e em parte da ala política do governo. Só na quarta-feira (9), três autoridades militares falaram publicamente em “regime diferenciado” para a categoria. Alguns assessores dos ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, já admitem reservadamente a possibilidade de que os integrantes das forças armadas ficarão de fora da reforma.

4- E por falar em militares, o vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão (PRTB), disse que seu filho, Antônio Hamilton Rossell Mourão, pensou em desistir da promoção para assessor da presidência do Banco do Brasil por causa da repercussão negativa, mas que ele o convenceu a aceitar o cargo. “Eu disse pra ele: ‘Não, meu filho, isso aí é mérito seu e acabou, pô'”

5- Um relatório da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) que apontam que as organizações sociais (OSs) de saúde, que administram hospitais públicos, estão entre as maiores empresas do país e movimentaram R$ 22,9 bilhões entre 2009 e 2014. Ao contratar médicos e enfermeiros por meio de OS, as prefeituras driblam a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas contrariam a Constituição.

6- As ações europeias caíram na quinta-feira, com o otimismo sobre as negociações comerciais entre os EUA e a China se dissipando depois que poucos detalhes sobre o progresso surgiram e uma série de relatórios de lucros fracos destruiu varejistas e estoques de carros. Na Ásia não foi diferente e os futuros americanos , também estão no vermelho.

Bons Negócios !!___________________ Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply