AS 6 DO DIA 11/01

1- Os mercados encontraram nas palavras de dirigentes do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, motivos para sorrir ou desanimar nesta quinta-feira. De um lado, os diretores James Bullard e Thomas Barkin apresentaram um Fed sintonizado com os sinais do mercado a favor de uma pausa na subida nos juros. Do outro, o presidente Jerome Powell disse que o balanço do banco central dos Estados Unidos – inchado pela injeção espetacular de dinheiro promovida pela autoridade para socorrer o país da crise financeira de 2008 – será “substancialmente menor” no futuro, o que intrigou investidores que vinham se beneficiando desse cheque em branco para comprar ativos nos últimos anos. No fim do dia, prevaleceu ainda o discurso da paciência guiando os próximos passos do Fed e os índices Dow Jones e S&P 500 engatavam a quinta valorização seguida, mesmo com a pauta de orçamento e impasse político sob suspeita.

2- Aumentaram os prêmios de risco nos juros futuros negociados na BM&F – o contrato com vencimento em janeiro de 2020 ficou em 6,635%. Além do dólar mais alto – que encarece os produtos importados e, portanto, pressiona o nível geral de preços -, analistas foram surpreendidos pelos primeiros números de inflação de janeiro no Brasil, que vieram acima do esperado.

3- Depois de levantar dúvida, na semana passada, em um ponto do acordo entre Boeing e Embraer, derrubando as ações da fabricante nacional, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quinta-feira (10) que o governo brasileiro não exercerá o poder de veto a que tem direito no processo de venda. O anúncio foi feito após reunião de Bolsonaro com ministros e representantes da Aeronáutica.

4- O governo Bolsonaro confirmou a saída do chefe da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), Alex Carreiro. A demissão de Carreiro havia sido anunciada pelo chancelar Ernesto Araújo no dia anterior, mas o presidente do órgão recusou a demissão e seguiu trabalhando normalmente nesta quinta. Um substituto já foi indicado: o embaixador Mauro Vilalva, ex-embaixador no Chile, em Portugal e na Alemanha.

5- Houve revelações nos últimos dias de que o Ministério do Trabalho do Japão vem subestimando os salários médios dos trabalhadores durante anos.
A relevância é que isso significa que houve déficits em benefícios de seguro de emprego pagos. Haverá uma revisão do orçamento, diz fin min Aso, para pagar o déficit nos benefícios.

6- Presidente Trump em entrevista à Fox
provavelmente declarará uma emergência se nenhum acordo de fronteira
diz que ele deve ser capaz de fazer um acordo com o Congresso
diz que ele tem o direito de declarar uma emergência nacional
Diz que vai esperar e ver o que se desenvolve nos próximos dias em conversas na parede . Algumas más notícias lá para os funcionários do governo dos EUA sendo deixados sem pagamento por 3 semanas agora. Nenhum sinal de alívio. ‘Espere e veja o que se desenvolve’ significa mais dificuldades para eles. Amanhã, o fechamento do governo será mais longo da história .

Bons Negócios !!___________________ Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply