AS QUENTES DO DIA 01/02

1- Novidades da temporada de resultados das empresas dão impulso à guinada positiva da bolsa, concentrando a atenção do mercado enquanto o debate político ainda não esquentou em Brasília. As ações do Bradesco atingiram máxima histórica nesta quinta-feira após o balanço do quarto trimestre ser bem recebido pelo mercado, bem como o cenário de crescimento agressivo nos volumes de crédito, na esteira de juros baixos e retomada da economia. Os papéis do banco terminaram o dia em alta de 5,65%. Os setores bancário e de consumo têm sido lembrados pelos analistas como opções de investimentos na bolsa em meio à perspectiva de aceleração no consumo, com desemprego diminuindo e inflação controlada.

2- “Acho que o trigger para fazer PETR andar é a desistência do Renan Calheiros na disputa para o Senado. Se nessa reunião os candidatos desistirem e apoiarem a Simone Tebet, o MDB pode ser obrigado dar sustentação a ela para não chegar na eleição com a bancada dividida. Renan é um câncer e não tem como confiar nele para a aprovação das reformas.”
Fernando Patino (@fernandocpatino)

3- A reabertura do Congresso Nacional e as eleições para presidente da Câmara e do Senado: Entre os deputados federais campeões de votos nos estados, serão 20 nomes que são estreantes na Câmara – e a maioria deles está alinhada com as ideias do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Veja o perfil dos novatos. Apesar desse alinhamento de ideias, a avaliação do governo é que haverá pressão para mudar o modelo de articulação política e não será possível contar com a gratidão dos vencedores. Na votação da Câmara, o esperado é que o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reeleja; no Senado, o favoritismo é do veterano Renan Calheiros (MDB-AL), que já chefiou o Congresso quatro vezes. Renovação, pelo jeito, não ocorrerá na liderança das Casas, mas não parece ser um problema nem para a cúpula dos partidos nem para alguns ministros do STF. Segundo Tales Faria, blogueiro de política que estreia hoje no UOL, Dias Toffoli e Gilmar Mendes apoiam Renan e Maia nos bastidores do Congresso.

4- O Brasil encerrou 2018 com 12,195 milhões de desempregados, ilvulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quinta-feira, 31. A taxa de desemprego no quarto trimestre de 2018 foi a menor do último ano, 11,6%, em comparação com os outros três trimestres. Os números mostram que, embora muito lentamente, o desemprego vêm diminuindo. Por outro lado, a taxa de empregos informais aumentou. O número de pessoas sem carteira assinada no setor privado atingiu 11,542 milhões, um aumento de 0,3% sobre os três meses entre julho e setembro e alta de 3,8 por cento sobre o mesmo período do ano anterior.

5- A Itália entrou oficialmente em recessão técnica nesta quinta-feira, 31, depois que seu Produto Interno Bruto (PIB) caiu pelo segundo trimestre consecutivo. No quarto trimestre do ano, o PIB do país caiu 0,2%, isso, após uma queda de 0,1% no terceiro trimestre. Uma recessão técnica é definida por dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Em todo o ano de 2018, o crescimento do país foi de 0,8%. Antes da queda do PIB no terceiro trimestre do ano passado, a economia italiana teve 14 trimestres consecutivos de pequenos aumentos. O crescimento nos dois últimos períodos foi afetado, principalmente, pela desaceleração da economia europeia.

6- O governo do Reino Unido anunciou, nesta quinta-feira, 31, que pretende manter a meta de se desligar na União Europeia até dia 29 de março, data limite prevista para a inauguração do Brexit. Ainda hoje, o Ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Hunt, sugeriu que, caso não haja um acordo com condições para o Brexit, o parlamento poderia prolongar sua data de inauguração para além de março. O porta-voz de da primeira Ministra Theresa May, declarou, entretanto, que o compromisso de May é aprovar o Brexit até a data combinada, e que o governo está determinado a fazer isso.

7- A delegação da China, que se encontra nos Estados Unidos com o objetivo de negociar uma saída para a guerra comercial entre os dois países, anunciou nesta sexta-feira que aconteceram “avanços importantes”, informou a agência estatal de notícias “Xinhua”. Para o lado chinês, as negociações estão sendo “francas, concretas e frutíferas”, apontou a fonte. Estas declarações surgem poucas horas depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, mostrasse otimismo com a possibilidade de conseguir o longo deste mês um ambicioso acordo com a China.

Bons Negócios !!_____________________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply