AS 6 DO DIA 11/04

“Todo progresso acontece fora da zona de conforto.”
– Michael John Bobak

1- A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prepara uma proposta para que agentes que operam no mercado de comercialização de eletricidade sejam submetidos a chamadas semanais de margens já a partir de 2020, com o objetivo de aumentar a segurança das operações, disse à Reuters o diretor do regulador Rodrigo Limp. A proposta surge em meio a dificuldades de algumas comercializadoras de energia para cumprir contratos com clientes após uma disparada inesperada dos preços no mercado elétrico no início deste ano, puxada por chuvas fracas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do Brasil. A primeira opção analisada pela agência para reduzir os riscos era mudar o intervalo para liquidação financeira das operações do mercado de mensal para semanal, mas essa medida teria uma implementação mais difícil e o mesmo efeito prático da chamada de margens, segundo Limp. “A ideia seria um aporte de garantias semanal, semelhante ao que é feito hoje de forma mensal. Faz uma apuração para definir o valor de garantia que cada agente teria que depositar… é uma forma simplificada de fazer”, afirmou o diretor.

2- A bolsa não conseguiu se sustentar acima dos 96 mil pontos até o fechamento do pregão. O Ibovespa caiu 0,35% a 95.953 pontos nesta quarta-feira. A tendência negativa se intensificou na reta final do pregão, com a realização de lucros nas ações de Petrobras, na esteira do anúncio da renegociação da cessão onerosa entre a União e a estatal petrolífera, e a queda nos papéis de Vale após notícia do The Wall Street Journal informando que o Ministério Público planeja apresentar denúncia criminal contra a mineradora devido à tragédia em Brumadinho. A proximidade do vencimento de opções sobre ações, na segunda-feira, contribuiu para a volatilidade do índice Bovespa, em paralelo aos sinais de maior organização na articulação política para a reforma da Previdência. O mercado parece convicto de que a pauta será aprovada no Congresso, mas permanecem dúvidas sobre o tamanho da economia fiscal do texto final, girando entre R$800 bilhões e R$600 bilhões. Após o voto do relator pela admissibilidade da pauta na Comissão de Constituição de Justiça, o governo trabalha para votá-la na comissão na próxima terça-feira, e não na quarta-feira. E depois vem a batalha na comissão especial.

3- Guedes sinalizou que tão logo a reforma da Previdência for aprovada, os fluxos de capitais devem retornar ao país. No exterior, os mercados absorveram os comentários do Federal Reserve, o banco central americano, referente à sua última reunião de política monetária. A partir do documento, o FED nota incertezas que, combinadas com leituras de inflação persistentemente benignas nos Estados Unidos, tendem para a manutenção da taxa básica de juros neste ano. Mais cedo, o Banco Central Europeu manteve o juro da Zona do Euro estável.

4- A Petrobras (PETR3; PETR4), em menos de cinco dias, conseguiu consolidar a sua postura mais profissional e focada após a Operação Lava Jato revelar os efeitos drásticos da ingerência política sobre a maior estatal do Brasil. Na sexta-feira (5), sem muitos imbróglios ideológicos, se livrou da Transportadora Associada de Gás (TAG) por R$ 35 bilhões. Na terça-feira (10), lançou ao mercado um novo teaser para a venda da Liquigás e, ontem, encerrou uma novela iniciada em 2013 com o governo federal sobre o ajuste no contrato da cessão onerosa que previu a exploração d de 5 bilhões de barris na área do pré-sal. A bolada será de US$ 9,058 bilhões.

5- Os mercados asiáticos terminaram misturados a partir dos preços de fechamento mais recentes. O Nikkei 225 ganhou 0,11%, enquanto o Shanghai Composite liderou o Hang Seng mais baixo. Eles caíram 1,60% e 0,93%, respectivamente. Os mercados europeus são mistos. O CAC 40 é maior em 0,45%, enquanto o DAX está liderando o FTSE 100 mais baixo. Eles caíram 0,11% e 0,02%, respectivamente. em Wall street os futuros americanos apontam para uma abertura em ligeira alta.

6- A Justiça Militar determinou hoje que nove dos dez militares que foram presos em flagrante pelo assassinato do músico Evaldo Rosa dos Santos permaneçam detidos. Durante audiência de custódia, realizada nesta tarde, a juíza Mariana Aquino de Campos converteu as prisões em flagrante para preventivas. O carro em que Evaldo estava foi metralhado por militares no último domingo. Mais de 80 disparos foram realizados contra o veículo dirigido pela vítima. Em entrevista ao Programa do Bial, o ministro Sérgio Moro diz que ação do Exército no Rio foi lamentável. “O que eu vi foi que o Exército está investigando. Tem que apurar. Os fatos precisam ser esclarecidos”, disse Moro. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, classificou como “lamentável e triste incidente” a ação de militares. “Vamos apurar e cortar na própria carne”, disse.

Bons Negócios !!___________________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply