ISRAEL ATACA A SÍRIA E TRUMP MANDA RUSSIA NÃO SE METER

O Irã não tinha motivos para esperar que os mísseis de defesa antiaérea russa Pantsir, S-300 ou S-400 começassem a derrubar a aeronave israelense contra as instalações militares iranianas na Síria. Alguns analistas relataram que o Irã ficou desapontado com o silêncio dos sistemas russos quando, de acordo com fontes sírias, aeronaves israelenses do espaço aéreo libanês invadiram locações, na região de Hama, no início do sábado, 13 de abril.

As fontes militares e de inteligência do DEBKAfile revelam que os russos foram discretamente fortalecidos em sua política de três anos de não-interferência por uma mensagem do presidente Donald Trump ao presidente Vladimir Putin por meio de canais secundários. Putin foi avisado para continuar a fechar os olhos aos ataques israelenses contra alvos iranianos na Síria. A mensagem implicava que a Força Aérea de Israel estava operando pela primeira vez sob um guarda-chuva aéreo americano.
O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu sabia sobre a mensagem de Trump antes de se sentar com Putin no Kremlin em 4 de abril. Ele estava lá para adaptar os arranjos de coordenação militar entre Israel e Rússia à realocação do comando iraniano entre Damasco e Aleppo. A Força Aérea Israelense alvejou os novos locais pela primeira vez em 27 de fevereiro.

A garantia dos EUA de apoio aéreo foi arranjada pela primeira vez no final de 2018 entre o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e Netanyahu em seu duplo papel como ministro da Defesa. Mas só agora foi trazido à atenção do presidente russo.

Se o primeiro-ministro tivesse divulgado publicamente o acordo antes das eleições gerais de 9 de abril, ele teria sido acusado de impulsionar de forma inadequada as perspectivas do partido Likud. Por essa razão, Netanyahu e Putin se abstiveram de entrar em detalhes dos novos arranjos quando se conheceram, tendo anteriormente os coberto discretamente em sua conversa telefônica alguns dias antes de sua reunião.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e sua equipe estavam ausentes das conversas de Moscou do líder israelense em 4 de abril. Eles estavam demonstrando as reservas que têm sobre a intervenção americana nos entendimentos bilaterais russo-israelenses sobre a alocação de ativos militares e remessas de armas na Síria. . A partir de agora, os militares russos na Síria estão impedidos de interferir na ofensiva anti-Irã de Israel pela ameaça de represálias americanas. Ao mesmo tempo, nem Washington nem Moscou estão interessados em um surto militar ocorrendo na Síria, certamente não envolvendo as forças armadas iranianas ou suas milícias xiitas aliadas, especialmente o Hezbollah.

Os iranianos ficaram furiosos quando os militares russos não fizeram nenhum movimento para defender seus locais contra o último ataque de Israel às instalações militares que compartilham com os sírios em Masyaf, na província de Hama, no oeste do país. A mídia estatal síria informou que vários prédios foram destruídos, incluindo uma academia militar, e que as defesas aéreas sírias derrubaram alguns dos mísseis israelenses. Fontes da oposição síria citaram três alvos israelenses e 17 vítimas, incluindo mortes, mas não ficou claro se eles eram milicianos sírios ou pró-iranianos. DEBKAfile acrescenta que um dos alvos era uma fábrica para melhorar a precisão dos mísseis de superfície fornecidos pelo Irã para o Hezbollah.
Fonte:https://www.debka.com/trump-warns-putin-of-us-umbrella-over-israeli-strikes-on-iranian-targets-in-syria/?fbclid=IwAR2jvQjxRG_E3EKBPVrvvwK6amY1GXe67DDUiwmu3qmiQwyOJOkr8qnflcI

Bons Negócios !!

Be the first to comment

Leave a Reply