AS QUENTES DO DIA 15/04

1- O presidente Jair Bolsonaro cedeu à tentação intervencionista na Petrobras (SA:PETR4) que acomete todos que comandam o Palácio do Planalto. Ontem, a petroleira anunciou e depois cancelou um aumento de 5,7% no preço do diesel. O recuo veio a pedido do presidente que tentou emplacar uma agenda positiva nesta semana e afagar os caminhoneiros que ameaçam nova greve. Os investidores entenderam o recado populista e cobraram o preço da intervenção. Foram R$ 32 bilhões em valor de mercado da Petrobras, cuja ação preferencial (PETR4) afundou 7,75%, enquanto a ordinária (PETR3) cedeu ainda mais, 8,54%. Em Nova York, o tombo foi ainda maior com compensação do câmbio: -9,29%. Para agradar caminhoneiros, Bolsonaro cancelou o reajuste. Temer interferiu na política de preços em meio à greve de 2018, o que custou o cargo de Pedro Parente. Dilma e Lula usaram e abusaram das intervenções para segurar o IPCA, atender a setores e agradar aliados políticos – como a Lava Jato bem explicou. FHC também usou politicamente a petroleira, assim como seus antecessores. Roberto Castello Branco seguirá o exemplo de Parente e pedirá as contas? Ou será Castello Branco uma força fraca na defesa da independência como foram Aldemir Bendine, Maria das Graças Foster, Sergio Gabrielli…O tempo – e o preço das ações – dirão. Se o Presidente se enganou, por falta de conhecimento de mercado, o Paulo guedes ta chegando para resolver, nada de panico , por favor!

2- UBS e BTG Pactual: recomendação de compra persiste Na avaliação do UBS, a suspensão do ajuste é uma tentativa de evitar uma greve com desdobramentos semelhantes ao do ano passado. O banco mantém a recomendação de compra, mas que decisões recentes da Petrobras poderiam impactar na tese de investimento do banco. O BTG Pactual (SA:BPAC11) também manteve a recomendação de compra e avaliou que o adiamento do ajustamento expôs a Petrobras à influência política mesmo sob um governo com agenda liberal. A ameaça de greve dos caminhoneiros a cada anúncio de reajustamento do preço do diesel colocou a estatal sob um dilema: os efeitos de uma greve dos caminhoneiros seriam prejudiciais à economia brasileira, à própria Petrobras e à própria agenda liberalizante do Palácio do Planalto; entretanto, represar preço tampouco traz benefícios à companhia, colocando em risco o seu processo de desalavancagem. Os analistas do BTG questionam se houve mudança de percepção do governo sobre a atual política de preços da estatal ou se a medida de ontem a noite foi apenas temporária, pragmática. A resposta, segundo o banco, depende da reação da equipe econômica, que até agora não se manifestou.

3- Avianca: Avianca só poderá decolar de Guarulhos se pagar taxas à vista (Folha) Petrobras : Petrobras estuda modelos, inclusive oferta secundária, para venda de participação na BR Distribuidora. Imobiliárias: Venda de imóveis usados em SP cresce 26,8% em fevereiro, diz CreciCentauro: Demanda pelo IPO da Centauro ultrapassa oferta de papéis em mais de 2,5 vezes, diz Coluna do BroadcastTaurus: Bolsonaro anuncia decreto para ‘facilitar a vida’ de colecionadores de armas, atiradores e caçadores (Globo) Cemig: PF liga desvios na Cemig a aliados de Aécio Neves (Valor) Light: Light adota estratégia digital contra perdas (Valor)  Vale: Justiça bloqueia bens da Biopalma, da Vale, e mais três companhias no Pará (Valor) 

4- A Netflix tem nova concorrência: Wall Street adorou o novo serviço de streaming da Disney, que será lançado em novembro e custará aproximadamente a metade da assinatura padrão da Netflix. Esta semana, a Netflix terá a chance de responder quando reportar seus lucros na terça-feira. No último trimestre, a empresa anunciou que aumentaria suas mensalidades.

5- PIB do agronegócio paulista recua 5,73% em 2018 – O PIB do agronegócio do estado de São Paulo recuou 5,73% em 2018, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Pesquisadores do Cepea indicam que essa baixa esteve relacionada aos resultados negativos observados tanto no ramo agrícola quanto no pecuário, que registraram respectivas quedas de 5,68% e 5,97%.

6- Itaúsa e Grupo Ultra miram consórcios para disputar compra da Liquigás, diz jornal – A divisão de gás de cozinha da Petrobras (PETR4), a Liquigás já atrai o interesse de grandes consórcios de olho no negócio. Entre as pretendentes estão a Itaúsa (ITSA4) e o Grupo Ultra, que avaliam, de forma separada, a formação de um consórcio para fazer uma oferta pela companhia.

Bons Negócios !!_______________________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply