AS QUENTES DO DIA 07/05

“Um ponto a ser ressaltado é que o gringo não veio para o Brasil com intensidade ainda, isso pode ser bom no sentido de não sentirmos tanto a volatilidade internacional.”
Genildo Tavares (@gjtavares)

1- Os juros futuros por aqui não definiram tendência única, alternando entre a alta do dólar diante da maior aversão ao risco no exterior e as evidências de fraqueza da atividade econômica no Brasil. O Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, trouxe mais uma queda na projeção dos analistas para o crescimento do PIB deste ano, com redução de 1,70% para 1,49%. Simultaneamente, a estimativa para o IPCA, o índice oficial de inflação do país, neste ano subiu de 4,01% para 4,04%. Neste contexto de projeção de inflação aumentando, apesar da atividade fraca, as apostas de eventual corte na taxa básica de juro, a Selic, perdem força, ainda mais frente a uma agenda carregada nos próximos dias. O Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, vai atualizar o patamar da Selic nesta quarta-feira, com expectativa majoritária de manutenção em 6,50% ao ano, e, na sexta-feira, será conhecido o IPCA referente ao mês de abril. Hoje a agenda econômica destaca números de vendas de veículos por aqui em abril e, lá fora, a produção industrial de março na Alemanha que veio mal.

2- O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, não compareceu a vigília que convocou no domingo para homenagear as vítimas da repressão militar que estavam nos protestos contra o governo de Nicolás Maduro ao longo da semana. Embora Guaidó diga que vá continuar organizando protestos, os atos vem ficando mais vazios, como foi o caso de uma marcha aos quartéis no sábado, 4. Guaidó falhou em obter apoio dos militares para levar adiante a derrubada de Maduro, em movimento que começou na terça-feira, 30.
O ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, reafirmou nesta segunda-feira (6) que Caras prefere a via diplomática para resolver a crise geopolítica atual, mas está pronta para qualquer cenário.

3- De acordo com pesquisa de opinião divulgada pelo instituto Ipsos, o partido da líder de extrema-direita Marine Le Pen vencerá as eleições deste mês na França para o Parlamento Europeu com 22% dos votos, pouco a frente do partido REM, do presidente Emmanuel Macron, que vê a imagem desgastada com os protestos frequentes do movimento “coletes amarelos”, contra o aumento do diesel. Foi a primeira vez que o partido de Le Pen apareceu à frente do de Macron nas pesquisas. As eleições para a UE serão realizadas em 26 de maio na França. Em outros países, partidos de extrema-direita como a AfD na Alemanha e o Movimento 5 Estrelas na Itália também tentam eleger representantes para o parlamento europeu.

4- O Banco Central (BC) divulgou nesta segunda-feira mais uma edição do relatório Focus. A pesquisa semanal realizada com analistas de mercado aponta para uma elevação do IPCA no fechamento de 2019, indo de 4,01% para 4,04%. A projeção fica abaixo do centro da meta de inflação de 4,25% e dentro do intervalo de intolerância de 1,5 ponto percentual.

5- O Bradesco (BBDC4) anunciou a compra do BAC Florida Bank por US$ 500 milhões (aproximadamente R$ 2 bilhões), mostra um comunicado enviado ao mercado nesta segunda-feira (6). A instituição financeira atua há 45 anos e possui destaque em pessoas físicas de alta renda não-residentes. “Concretizada a aquisição, o Bradesco assumirá as operações do BAC Florida, com o principal objetivo de ampliar a oferta de investimentos nos EUA aos seus clientes de alta renda (Prime) e do Private Bank, além de outros serviços bancários, como conta corrente, cartão de crédito e financiamento imobiliário”, explica o banco brasileiro em nota. A operação também proporcionará ao Bradesco a oportunidade de expandir negócios relacionados a clientes corporativos e institucionais, explica. O Bradesco contou com a assessoria financeira do Banco Bradesco BBI e assessoria jurídica do Shearman & Sterling LLP.

6- O nome de quem substituirá Raquel Dodge no comando da Procuradoria-Geral da República (PGR) começa a ser escolhido nesta segunda-feira, quando iniciam-se as inscrições para as eleições internas da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). A votação, de certa forma, é apenas simbólica. Os três mais votados pelos procuradores vão compor a chamada “lista tríplice”, mas quem escolhe mesmo o futuro chefe da PGR é o presidente da República. Na prática, o presidente pode escolher mesmo quem não estiver na lista, ainda que tenha se tornado tradição que ele indique o nome mais votado. Pelo menos dez nomes devem tentar obter o cargo de procurador-geral neste ano, revela o jornal O Globo. O presidente Jair Bolsonaro (PSL), contudo, vem dando seguidas declarações de que não se comprometerá a seguir a lista. A aliados, teria dito que “só vou acolher se incluírem um nome nosso. Não tem sentido colocar um inimigo”, segundo o jornalista Tales Faria, do UOL, e que “só uma coisa é certa: quem estiver na lista não será”, segundo o jornal Folha de S.Paulo. Por outro lado, o Ministro da Justiça, juiz Sergio Moro, deve apoiar o escolhido pelos procuradores, assim como a ala militar do governo. Já o filósofo Olavo de Carvalho e seus apoiadores vêm fazendo campanha pelo nome de Ailton Benedito – no Twitter, lançaram a hashtag “#AiltonBeneditoPGR”. Declaradamente conservador, Benedito faz posts contra a esquerda e chegou a dizer que nazistas eram “socialistas”.

Bons Negócios !!_______________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply