AS QUENTES DO DIA 11/06(ESQUERDA ATENTANDO A ONÇA🤣😂)

“Não me parece que dê para esperar valorização da Vale devido aos ‘problemas’ dela; isso precisa se desfazer primeiro”
Eduardo Cansi (@dudacansi)

1- Nesta terça-feira, o investidor deve continuar com uma posição defensiva na Bovespa, à espera de mais desdobramentos relacionados ao vazamento das conversas do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e de um dos procuradores que comandam a força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol. Mesmo com gestores avaliando que o andamento da agenda econômica no médio prazo não deve sofrer alterações, ainda é necessário avaliar melhor como a articulação entre os poderes Executivo e Legislativo fica abalada com o episódio.

2- Fique de olho no andamento para a apresentação do parecer da Nova Previdência, que foi adiado por conta das incertezas que ainda persistem sobre a participação de Estados e municípios no projeto. É importante estar atento, também, à tramitação do pedido do governo de R$248,9 bilhões em crédito suplementar, que passará pela Comissão Mista de Orçamento pela manhã e segue para apreciação conjunta de senadores e deputados à tarde. A agenda de divulgações econômicas traz desemprego e dados de salários no Reino Unido, preços ao produtor nos Estados Unidos e dados de inflação no atacado e no varejo no Japão. Aqui, teremos os números do primeiro decêndio do IGP-M e o IPC semanal da Fipe.

3- A Eletrobras (SA:ELET3) anunciou nesta segunda-feira que recebeu o primeiro pagamento referente a um acordo com a antiga Eletropaulo (SA:ELPL3), atualmente sob o nome de Enel (MI:ENEI) Distribuição São Paulo, no valor de 274,47 milhões de reais, segundo comunicado ao mercado. O recebimento acontece após o trânsito em julgado da decisão judicial que homologou o acordo, no valor total de 1,4 bilhão de reais– referente a antigas dívidas da Eletropaulo junto à companhia estatal. A Eletrobras afirmou que, com isso, encerrou-se o prazo para interposição de recursos contra a decisão. A primeira parcela do acerto seria no valor de 250 milhões de reais, mas o montante foi atualizado pelo CDI a partir de 31 de janeiro de 2018. A ex-Eletropaulo ainda pagará à Eletrobras três parcelas anuais de 300 milhões de reais, sendo a primeira após 12 meses do pagamento acertado nesta segunda-feira, e uma última parcela de 250 milhões de reais, em 48 meses. Em comunicado em separado, a Enel São Paulo disse que ainda pagará 100 milhões de reais em honorários de sucumbência a advogados.

4- O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou hoje (10) que o ministro Sergio Moro, titular da pasta da Justiça e Segurança Pública, tem a sua confiança. A declaração foi uma referência à reportagem do site de notícias The Intercept Brasil, divulgada no último domingo (9), que revelou trechos de mensagens atribuídas a Moro e a membros da força-tarefa da Lava Jato que apontariam para uma suposta “colaboração proibida” entre o então juiz federal e os procuradores. “Preciso me aprofundar nesse fato recente, vamos ver o que realmente aconteceu, mas uma coisa eu falo, o ministro Moro tem a total confiança nossa. Ele é um homem de muito respeito e do bem”, disse Azevedo e Silva a jornalistas, logo após participar da cerimônia de 20 anos de criação do Ministério da Defesa. O evento contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro, do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, além de ministros e diversas autoridades.

5- Líderes de partidos de oposição (PT, Psol e PCdoB) anunciaram nesta segunda-feira (10) obstrução total nas votações da Câmara dos Deputados, após a divulgação de mensagens atribuídas ao atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e a membros da força-tarefa da Lava Jato pelo site de notícias The Intercept. Em texto que acompanha a publicação das três reportagens divulgadas ontem, o Intercept Brasil sustenta que o teor das mensagens indica “comportamentos antiéticos e transgressões que o Brasil e o mundo têm o direito de conhecer”. Segundo o site, são “discussões internas e atitudes altamente controversas, politizadas e legalmente duvidosas da força-tarefa da Lava Jato.”

6- O dono chinês do Club Med quer comprar o negócio de operação turística da Thomas Cook, uma medida que poderia resgatar a marca britânica de 178 anos e ajudá-la a se expandir na Ásia. Thomas Cook disse na segunda-feira que está discutindo uma venda com a Fosun, mas não está claro se as negociações resultarão em uma oferta formal.
A Fosun (FOSUF), um conglomerado chinês de saúde, lazer e interesses financeiros, comprou o Club Med em 2015. É o maior acionista da Thomas Cook com uma participação de 18%.
A Fosun e a Thomas Cook já administram uma joint venture na China, onde estão desenvolvendo propriedades da marca Thomas Cook no sul da China e perto de Xangai.
A Thomas Cook é uma empresa de viagens que lida com reservas de férias e tem sua própria companhia aérea e hotéis. Mas está lutando com demanda fraca e dívidas elevadas.
A empresa publicou vários avisos de lucros e as ações caíram 84% no ano passado. Enquanto a ação disparou nas notícias de segunda-feira, o valor de mercado da Thomas Cook é de apenas £ 250 milhões ($ 317 milhões).

Bons Negócios !!_______________________Yochanan Pinchas





Be the first to comment

Leave a Reply