SÓ NA COLÔMBIA: TRAFICANTE GUERRILHEIRO VIRA DEPUTADO

Um ex-líder guerrilheiro procurado nos Estados Unidos por acusações de tráfico de drogas foi empossado terça-feira como membro do Congresso colombiano.

Jesus Santrich fez o juramento de posse às oito da manhã em uma cerimônia privada presidida por Atilano Giraldo, membro da liderança da Câmara dos Representantes.

“Preciso ir primeiro à Suprema Corte de Justiça para responder e cumprir os requisitos dessa autoridade judicial”, disse o novo congressista a repórteres quando perguntado se participaria da sessão legislativa de terça-feira.

O tribunal está avaliando a evidência em apoio ao pedido dos Estados Unidos de extradição de Santrich, de 52 anos, que era comandante das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), agora desmobilizadas.

Ele passou um total de 416 dias atrás das grades antes de uma decisão da Suprema Corte em 30 de maio que Santrich tinha direito a certas proteções porque uma vaga no Congresso havia sido reservada para ele sob os termos do acordo de paz de 2016 com as FARC.

A Colômbia é um dos vários países latino-americanos em que uma ação criminal contra um legislador ou um alto funcionário pode ser apresentada apenas com a aprovação do mais alto tribunal.

O acordo de paz anulou 10 cadeiras no Congresso – cinco no Senado e na Câmara – para que pessoas sejam indicadas pelo partido político dos ex-insurgentes, a Força Revolucionária Alternativa Comum, também conhecida pela sigla FARC.

Santrich, que ajudou a negociar o acordo que encerrou cinco décadas de conflito na Colômbia, não conseguiu ocupar seu assento como previsto originalmente, em 20 de julho de 2018, porque havia sido preso três meses antes por um Aviso Vermelho da Interpol emitido a pedido de Washington.

Promotores norte-americanos acusam-no de ter conspirado para enviar 10 toneladas de cocaína para os Estados Unidos após a assinatura do pacto de paz de 2016, colocando o suposto delito fora do escopo do sistema de justiça transicional que Bogotá criou em conjunto com o processo de paz.

Santrich comprometeu-se a cooperar plenamente com o Supremo Tribunal enquanto ele procura se limpar.

O presidente direitista da Colômbia, Ivan Duque, disse segunda-feira durante uma visita à Argentina que Santrich é um “mafioso” que será considerado culpado de tráfico de drogas.

Santrich reagiu a esses comentários, pedindo a Duque que “agisse como presidente de todos, dando garantias, e também levando em conta que há algo chamado a presunção de inocência”. Fonte:http://www.laht.com/article.asp?ArticleId=2479765&CategoryId=12393&utm_source

Bons Negócios !!

Be the first to comment

Leave a Reply