AS DO DIA 18/09 (Explosão de gás destrói laboratório russo com varíola Ebola e HIV)

“Notícia da Aramco e produção industrial forte nos EUA reforçam corte pelo Fed; mas ainda terá estresse antes”
Guilherme Motta (@gbellizzimotta)

1- Explosão no Centro Estadual de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia da Sibéria
O laboratório é um dos dois lugares do mundo que abriga a doença da varíola
Explosão soprou as janelas e um trabalhador ficou com queimaduras de terceiro grau
Um incêndio causado por uma explosão de gás atingiu um laboratório russo que abriga vírus, incluindo varíola, Ebola e HIV.
A Rússia alega que não há ameaça sustentada depois que um cilindro de gás explodiu no quinto andar do Centro Estadual de Pesquisa em Virologia e Biotecnologia, conhecido como Vector.
Localizado em Koltsovo, na região de Novosibirsk, na Sibéria, o local era um nexo para o desenvolvimento da guerra biológica durante a era soviética.
Um trabalhador ficou com queimaduras de segundo e terceiro graus e teve que ser levado ao hospital após a explosão, que explodiu pelas janelas da instalação.
Vector é um dos dois lugares no mundo em que a doença varíola está armazenada, o outro está em um laboratório de alta segurança – o centro americano de Controle de Doenças em Atlanta.
Em 2004, uma funcionária de laboratório, Antonina Presnyakova, em Vector morreu depois que ela acidentalmente se picou com uma agulha que continha o vírus Ebola.
Uma investigação foi iniciada para descobrir a causa da explosão.
O último caso natural de varíola ocorreu em 1977 e em 1980 a Organização Mundial da Saúde declarou-a erradicada globalmente.
Estima-se que a varíola tenha matado até 300 milhões de pessoas no século XX.

2- É dia do FED, mais do que o habitual. O banco central também deve realizar algum ajuste fino de um mercado monetário que se deteriorou nos últimos dois dias devido a uma complexa interação de fatores de curto e longo prazo. E os preços do petróleo estão voltando a níveis mais baixos depois que a Arábia Saudita prometeu ao mundo que voltaria ao normal até o final do mês. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quarta-feira, 18 de setembro.
Ainda é esperado que o Federal Reserve reduza as taxas de juros em 25 pontos base em sua reunião regular de política, que termina mais tarde. Como sempre, a declaração de política chegará às 14h (horário de Brasília), com a conferência de imprensa do presidente Jerome Powell às 14h30.
As expectativas de um corte diminuíram nos últimos dias, após alguns fortes dados dos EUA, mas a maioria dos participantes do mercado ainda espera ação. De acordo com a ferramenta de monitoramento de taxas do Fed da Investing.com, a chance implícita de um corte caiu para quase 55%, de quase 100%, recentemente, no início da semana passada.
O Fed não é a única reunião do banco central. O banco central do Brasil também fará seu anúncio de política monetária no final do dia. Os bancos centrais de Frankfurt a Índia, Rússia, China e Turquia afrouxaram drasticamente a política monetária nas últimas semanas para combater a desaceleração global.

2- Os mercados asiáticos terminaram misturados nos preços de fechamento mais recentes. O Shanghai Composite ganhou 0,25%, enquanto o Nikkei 225 liderou o Hang Seng mais baixo. Eles caíram 0,18% e 0,17%, respectivamente.
Hoje, os mercados europeus estão mais altos, com ações em Londres liderando a região. O FTSE 100 subiu 0,20%, o CAC 40 da França subiu 0,16% e o DAX da Alemanha subiu 0,12%.
Os índices de ações dos EUA permanecerão no modo de espera até a decisão do Fed, mas parecem prontos para abrir um toque mais baixo nesse meio tempo.

3- Na expectativa de políticas monetárias mais frouxas mundo afora, o Ibovespa fechou em alta de 0,9%, a 104.616 pontos, o maior patamar desde 18 de julho, com volume negociado de R$12,49 bilhões. Os juros caíam em bloco, precificando o corte da Selic, sendo que o DI com vencimento em 2020 bateu mínima histórica.

4- Na agenda de amanhã, além das decisões de política monetária aqui e nos Estados Unidos, o Japão também divulgará sua taxa básica de juros. Alguns indicadores também merecem atenção. Pela manhã, a Fipe informa dados de inflação medidos pelo IPC semanal. A FGV divulga dados de inflação pelo IGP-M do segundo decêndio de setembro, às 12h30. O Banco Central informa o fluxo cambial semanal, às 12h30. No exterior, a Zona do Euro divulga o IPC de agosto. Os Estados Unidos divulgam o número de pedidos de hipoteca e construção. 

5- Diante dos ataques às instalações da Saudi Aramco e das decorrências geopolíticas, a analista Halima Croft da RBC Capital Markets acredita que a cotação do petróleo poderá atingir US$ 100,00 por barril caso haja escalada militar na região.
Se você adicionar o tema do conflito armado, você poderá ter a cotação de US$ 100,00”, avalia Croft, conforme apurado pela reportagem da CNBC. “[…] não podemos excluir uma retaliação direta ao Irã se os ataques continuarem”, completou.
A analista pondera o risco existente de novos ataques caso os governos não reajam. “Esta é uma das instalações mais importantes do mundo. Se você não fizer nada, essencialmente está acendendo uma luz verde para mais ataques? A qual ponto necessita mostrar alguma ação?”, avalia Croft.

6- Começa hoje (17), em Brasília, a sexta reunião deste ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), que vai definir a taxa básica de juros – a Selic. A reunião do Copom termina amanhã (18), quando o valor da Selic será anunciado.
Segundo a última pesquisa do BC ao mercado financeiro, a expectativa é de que o Copom mantenha o ciclo de redução na Selic e faça mais um corte 0,5 ponto percentual na taxa, que atualmente está 6%, em momento de economia ainda em recuperação. A previsão do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, é 0,87%, neste ano.

7- Com 90,4% dos votos contados nas eleições de terça-feira, em Israel, o Azul e o Branco estão em 32 assentos e o Likud em 31, com o Azul e o Branco liderando por uma margem estreita sobre o Likud, de acordo com o Canal 13. É importante notar que ainda estão não os resultados finais.
Os resultados oficiais atuais de acordo com o CEC (com mandatos de acordo com o Canal 13):
Azul e branco: 25,66% (32 assentos)
Likud: 25,03% (31)
The Joint List: 10,71% (13)
Shas: 7,56% (9)
Yisrael Beytenu: 7,11% (9)
UTJ: 6,25% (8)
Yemina: 5,73% (7)
Trabalho-Gesher: 4,81% (6)
União Democrática: 4,30% (5)
Otzma Yehudit: 1,87% (não passou do limiar eleitoral de 3,25%)

Bons Negócios !!__________________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply