AS MELHORES DO DIA 13/02 (ISRAEL SOB ATAQUE)(COM VÍDEO DO MILAGRE NA ESTRADA)

Aproveite a queda das ações da Eletrobras para comprar mais, diz Itaú BBA

1- Na sessão da última segunda-feira (10) os investidores estrangeiros inverteram a tendência e tiveram um dia de aumento da posição comprada do segmento Bovespa da B3, no mercado à vista. Na jornada, as compras foram de R$ 14,965 bilhões e as vendas de R$ 14,182 bilhões, levando a uma diferença de R$ 669,521 milhões. Assim, em fevereiro o resultado segue negativo em R$ 4,811 bilhões.
O levantamento considera somente as operações realizadas no mercado à vista, desconsiderando os negócios futuros, os IPOs e as ofertas subsequentes de ações. No dia 10, o Ibovespa encerrou com queda de 1,05% aos 112.570 pontos, com o dólar somando 0,10% a R$ 4,3251.

2- O projeto de lei que libera a exploração mineral em terras indígenas é uma proposta do governo federal e não das mineradoras, afirmou o diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), ao defender que as empresas apenas estudarão investimentos nas regiões se o tema estiver “apaziguado” com a sociedade.
Ao falar com jornalistas nesta quarta-feira, Flávio Penido lembrou que o PL, enviado pelo governo ao Congresso na semana passada, vai além do setor minerário, e autoriza também a liberação de outras atividades econômicas em terras indígenas, incluindo agricultura, pecuária e a exploração do turismo.
A proposta é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro, vista como uma reivindicação vinda principalmente de garimpeiros e empresas de exploração mineral

3- O ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou nesta quarta-feira que a reforma administrativa proposta pelo governo vai mexer em critérios de estabilidade para futuros servidores, sem afetar direitos adquiridos ou alterar salários.
O objetivo da reforma, segundo o ministro, é estabelecer um Estado com meritocracia e um menor número de carreiras. “Em vez de 300 carreiras, que fossem 20, 30”, afirmou o ministro, em discurso durante evento em Brasília.
Guedes reafirmou que, quando usou o termo “parasita” ao falar sobre a reforma administrativa na semana passada, se referia ao Estado brasileiro, e não aos servidores.
“Quando os gastos com funcionalismo devoram 95%, 100% da receita, o Estado está virando parasitário. Não é o funcionário público, é o Estado”, afirmou.

4- Na sessão da última segunda-feira (10) os investidores estrangeiros inverteram a tendência e tiveram um dia de aumento da posição comprada do segmento Bovespa da B3, no mercado à vista. Na jornada, as compras foram de R$ 14,965 bilhões e as vendas de R$ 14,182 bilhões, levando a uma diferença de R$ 669,521 milhões. Assim, em fevereiro o resultado segue negativo em R$ 4,811 bilhões.<br> O levantamento considera somente as operações realizadas no mercado à vista, desconsiderando os negócios futuros, os IPOs e as ofertas subsequentes de ações. No dia 10, o Ibovespa encerrou com queda de 1,05% aos 112.570 pontos, com o dólar somando 0,10% a R$ 4,3251

5- O projeto de lei que libera a exploração mineral em terras indígenas é uma proposta do governo federal e não das mineradoras, afirmou o diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), ao defender que as empresas apenas estudarão investimentos nas regiões se o tema estiver “apaziguado” com a sociedade.<br> Ao falar com jornalistas nesta quarta-feira, Flávio Penido lembrou que o PL, enviado pelo governo ao Congresso na semana passada, vai além do setor minerário, e autoriza também a liberação de outras atividades econômicas em terras indígenas, incluindo agricultura, pecuária e a exploração do turismo.<br> A proposta é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro, vista como uma reivindicação vinda principalmente de garimpeiros e empresas de exploração mineral

6- O ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou nesta quarta-feira que a reforma administrativa proposta pelo governo vai mexer em critérios de estabilidade para futuros servidores, sem afetar direitos adquiridos ou alterar salários.<br> O objetivo da reforma, segundo o ministro, é estabelecer um Estado com meritocracia e um menor número de carreiras. “Em vez de 300 carreiras, que fossem 20, 30”, afirmou o ministro, em discurso durante evento em Brasília.<br> Guedes reafirmou que, quando usou o termo “parasita” ao falar sobre a reforma administrativa na semana passada, se referia ao Estado brasileiro, e não aos servidores.<br> “Quando os gastos com funcionalismo devoram 95%, 100% da receita, o Estado está virando parasitário. Não é o funcionário público, é o Estado”, afirmou.

7- O índice Bovespa voltou a subir, aproximando-se novamente dos 117 mil pontos, refletindo o segundo dia de recuperação dos preços das commodities no exterior. Ajudou o cenário local e a expectativa de novos cortes nos juros pelo Copom. Os vencimentos dos mercados futuros de Ibovespa e de opções de índice deram um fôlego extra para a bolsa, aumentando as oscilações, especialmente à tarde.

8- O dólar foi destaque, batendo a máxima de R$4,356 no mercado futuro, em meio à expectativa de que a economia mais fraca levará o Banco Central a cortar novamente os juros ou a esticar a taxa mais baixa da história até o ano que vem, enfraquecendo mais o real. Essa expectativa de juro menor pode ser reforçada amanhã pelos números do setor de serviços, que o IBGE divulga pela manhã, e na sexta-feira, com o Índice de Atividade do BC relativo a dezembro. 8-

9- Nos EUA, saem dados de inflação ao consumidor de janeiro e o ganho real médio dos salários, que podem mexer com a perspectiva dos juros americanos. Informações sobre a atividade econômica chinesa também estarão no radar dos investidores.

10- As ações da Eletrobras (ELET3) foram incluídas na carteira Top 5 do Itaú BBA após a recente queda, aponta um relatório enviado a clientes. Os ativos do Bradesco (BBDC4) deixam o portfólio para acomodar a chegada da elétrica.
“Optamos por manter o Banco do Brasil (BBAS3) ao invés de Bradesco como nosso ativo no setor de vancos devido ao seu valuation mais descontado e pelo fato de que ele ainda irá reportar seus resultados (13/2)”, indica o time de análise do banco.
Segundo os analistas Lucas Tambellini, Jorge Gabrich, André Dibe, Maria Clara Infantozzi, Fabio Perina e Larissa Nappo, as ações da Eletrobras recuaram após notícias acerca de um atraso no processo de privatização.
“A privatização ocorrendo somente em 2021 já é um dos pilares da nossa tese de investimentos desde o início e acreditamos que a reação do mercado pode ter sido exagerada”, apontam.

11- Os ativos de risco operam em forte queda na manhã desta quinta-feira, marcados por uma alta súbita na aversão a risco, mas que parece ser insuficiente para zerar os ganhos vistos na semana – pelo momento. Por trás dessa dinâmica é a revisão inesperada de números de casos de coronavírus divulgada pela China na véspera, e que confirma as suspeitas de que a metodologia de diagnose permitiu manter a epidemia sub-representada pelas últimas três semanas. Para um gestor sediado em Londres, “confirmou o que todos suspeitávamos: que a China deu um jeito nos dados por um tempo. É, de novo, a desconfiança tomando conta do cenário.” O pior é que ainda é cedo para acreditar em uma inversão de tendência, de acordo com o sócio da TAG Investimentos, Dan Kawa. Como falaremos um pouco depois, foram quase 15 mil novos casos de infectados e cerca de 250 mortes adicionais no dia de ontem. Na opinião de Kawa, “o número e a postura da China trazem enorme incerteza em torno da real situação do vírus” da retomada das atividades na segunda economia do mundo.

12- Os futuros dos índices acionários caem, em sintonia com as bolsas ações europeias na manhã desta quinta-feira, majoritariamente por conta da noiva metodologia de diagnóstico do coronavírus. Como evidência da maior aversão ao risco, os rendimentos dos Treasurirs recuaram, o ouro avançou e o iene japonês subiu ante o dólar. Esse derretida, de mais ou menos 0,80% nos futuros dos índices-referência Dow Jones e S&P500, acontece um dia após eles terem atingido novos recordes. As bolsas em Tóquio, Xangai, Hong Kong e Seul também caíram. O dólar sobe no Brasil há meses por conta do PIB frouxo, juros na mínima histórica, piora nas contas externas e falta de fluxo de entrada de divisas. Nos dados, teremos pesquisa mensal de serviços no Brasil e inflação ao consumidor e pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos. Do lado corporativo, a coisa está mais movida: o mercado deve reagir aos resultados do Banco do Brasil, Suzano, Duratex, Banco Inter … teremos uma enxurrada de teleconferências, assim como a estreia da ação ordinária da Moura Dubeux na B3.

13- O destaque do dia entre os resultados veio do maior banco estatal da América Latina. Com lucro líquido recorrente e margem financeira no quarto trimestre de R$4,625 bilhões e R$14,204 bilhões, respectivamente, ambos acima do consenso, o Banco do Brasil entregou todas as metas operacionais do ano passado e anunciou diretrizes modestas para esse ano – até um pouco menores que as dos concorrentes privados. O BB vê lucro recorrente entre R$18,5 bilhões a R$20,5 bilhões e crescimento de 5,50% a 8,50% na carteira de crédito. No quarto trimestre, o retorno sobre o patrimônio líquido recorrente foi de 19,20%, ante o consenso de 17,30%. Mesmo com uma meta mais relaxada de crescimento nas despesas operacionais, de 2,50% a 4,50%, analistas esperam que o banco liderado pelo economista Rubem Novaes consiga manter ou até superar o ROE do trimestre anterior ao longo do ano.

Várias explosões foram ouvidas perto da fronteira com Gaza. Relatos da mídia indicam que as explosões foram o resultado de balões explosivos que cruzaram a fronteira para Israel, mas detonaram no ar. Existem notícias , não confirmadas , que helicópteros e caças da Força Aérea começam a bombardear alvos terroristas em Gaza. Veja o vídeo que ninguem se feriu.

Bons Negócios !! _____________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply