ZOHAR IN ENGLISH AND PORTUGUÊS: COHEN’S HANDS / AS MÃOS DO COHEN

ENGLISH BELOW

YITRÓ, SACERDOTE DE MIDIAN, OUVIU  TUDO QUE D’US FEZ POR MOISÉS E ISRAEL

R. Ezequias abriu aqui com um discurso sobre o versículo: E Araão levantou a mão em direção ao povo e os abençoou (Lev. IX, 22). O uso da palavra “mão” aqui, ele disse, “no singular indica que ele pretendia erguer a mão direita acima da esquerda, e isso por uma certa razão esotérica.

Encontramos, a saber, no livro do Rei Salomão, que quem erguer a mão para o céu sem nenhuma intenção devocional de proferir orações ou bênçãos será amaldiçoado por dez poderes celestes, os “legisladores encontrados na cidade” (Eccl VII, 19),a saber, os dez seres supernais que se apóiam sobre a “expansão das mãos”, bênçãos ou orações oferecidas com eles, e para dotar-lhes um poder através do qual o Santo Nome é glorificado e abençoado de baixo, recebe bênçãos de cima também, e é assim glorificado por todos os lados.

E esses “dez potentados” então tomará as bênçãos acima e as derramará sobre quem está abaixo. Portanto, quando o homem levanta a mão para o céu, ele deve tomar cuidado para que sua intenção seja orar, abençoar ou suplicar, pois, se ele os elevar à toa, os poderes que meditam sobre as “mãos que se abrem” o percorrerão com duzentos e quarenta e oito maldições. De um deles está escrito: “Como ele amava amaldiçoar, que venha a ele” (Ps.CIX, 17).

Além disso, o espírito de impureza repousa sobre essas mãos, pois costuma pairar sobre um lugar vazio, e as bênçãos não ficam ali.

Assim, a mão deve ser elevada ao céu apenas como expressão de oração ou de bênção. De fato, essa “extensão de mãos” tem um profundo significado simbólico. Quando um homem estende a mão e as levanta oração e súplica, pode-se dizer que glorifica o Santo de várias maneiras. Ele simbolicamente une as dez Palavras (Sefiroth), unificando assim o todo e abençoando devidamente o Santo Nome.

Ele também, por assim dizer, une os carros internos e os carros externos, para que o Santo Nome seja abençoado por todos os lados, e todos se tornem um, tanto o que está em cima quanto o que está por baixo. Os dez poderes de que falamos são as dez palavras inferiores Sefiroth), simbolizadas pelas letras inscritas correspondentes às que estão acima, e elas encarregam-se, em primeira instância, de levantar os dedos (67b) em oração. E quando todo o lado da santidade está unido acima dos “outros lados” são subjugados, e eles também confessam e louvam o Santo Rei.

‘Observe isso. Na doutrina mística do Santo Nome, falamos de rei e sacerdote, acima e abaixo. O rei acima é o místico Santo dos Santos, e sob ele há um sacerdote, a mística Luz Primeva, que ministra diante dEle, ele é o sacerdote que é chamado de “grande” e está posicionado à direita. Há um rei abaixo, à semelhança do rei acima, que é rei sobre tudo o que está abaixo, e debaixo dele há quem ministra a ele: este é aquele a quem chamamos Michael, o sumo sacerdote, que é a mão direita .

Tudo isso constitui o verdadeiro objeto da fé, o lado da santidade. No “outro lado”, o lado que não é santo também tem um rei, … mas isso falaremos outro dia …

Fonte: THE ZOHAR Volume III Traduzido por Sperling, Simon and Levertoff Prasha Yitró Editora The Soncino Press, 1933

JETHRO, THE PRIEST OF MIDIAN HEARD OF ALL THAT G’D HAS DONE FOR MOSES AND FOR ISRAEL

R. Hezekiah opened here with a discourse on the verse: And Aaron lifted up his hand toward the people and blessed them (Lev. IX, 22). ‘The use of the word “hand” here, he said, ‘in the singular indicates that he meant to lift up his right hand above his left, and this for a certain esoteric reason.

We find, namely, in the book of King Solomon, that he who lifts up his hand towards heaven without any devotional intention to utter pray or blessing will be cursed by ten celestial powers, the “potentates wich are found in the city” (Eccl. VII, 19), namely, the ten supernal beings who are appoiented over the “spreading of hands” , e blessings or prayers offered therewith, and to endow them with a powr throught wich The Holy Name is glorified and blessed from below, it receive blessings from above also, and is thus glorified from all sides.

And these “ten potentates” will then take the blessing above, and pour them down upon him who is below. Therefore when man lifts up his hand to heaven, he must be careful that his intation should be to pray or bless or supplicate,  for if he lifts them idly, those powers that brood over the “spreading hands” will course him with two hundred and forty-eight curses. Of such a one it is written: “As he  loved cursing, so let it come to him”(Ps.CIX, 17).

Moreover, the spirit of impurity rest on such hands, for it is wont to hover over an empty spot, and blessing does not rest there.

Thus the hand must be lifted up to heaven only as an expression of prayer or of blessing. Indeed  ,this “spreading of hands” has a profund symbolical significance. When a man spreads out his hand and lifts them up prayer and supplication, he may be said to glorify the Holy One in varius ways. He symbolically unites the ten Words ( Sefiroth), thereby unifying the whole and duly blessing the Holy Name.

He also, as it were, unites the inner Chariots and the outer Chariots, so that the Holy Name may be blessed from all sides, and all become one, both that which is above and that which is below. The Ten powers of which we spake are the  lower ten Words Sefiroth),  symbolized by the inscribed letters corresponding to those above, and they have charge, in the first instance, of the raising of the(67b) fingers in prayer. And when the whole side of holiness is united above the “other sides” are subdued, and they also confess and preise the Holy King.

‘Observe this . In the mystic doutrine of the Holy Name we speak of King and Priest, both above and below. THe King above is  the mystic Holy of Holies, and under him there is a Priest, the mystic Primeval Light, who minister before Him, he is the Priest who is called “great” and is stationed at the right hand. There is a King below, in the likeness of the King above, who is King over all that is below, and under him there is  Who ministers to him: this is he whom we call Michael, the High Priest, Who is the right hand. All this constitutes the true object of faith, that of the side of holiness. On the “other side” , the side which is not holy there also a king,… but this is talk for another day…

Source: THE ZOHAR Volume III Translated for Sperling, Simon and Levertoff Prasha Yitró Editora The Soncino Press, 1933

Shabat Shalom !!

Be the first to comment

Leave a Reply